Caminho para Deus 204 – A vida interior

715

Como emevecistas, trazemos em nosso coração o desejo de sermos santos e de construir um mundo mais justo, fraterno e reconciliado. Cremos firmemente que Cristo é a resposta para as perguntas e para os anseios dos homens e mulheres de nosso tempo e de sempre. E estamos convencidos de que a única mudança autêntica do mundo é aquela que brota da mudança pessoal, da própria conversão. Sabemos bem que ninguém dá o que não tem e que por isso o primeiro campo de apostolado é cada um de nós mesmos. Atender à nossa interioridade, cultivar uma vida interior profunda e intensa, não é apenas uma necessidade pessoal, é, para nós, também um dever social, uma exigência para podermos ser fiéis a missão que o Senhor nos confiou.

Uma vida interior intensa pela força do Espírito Santo

A vida interior é ao mesmo tempo exigente e extremamente plenificadora. É comunhão com Deus, no Senhor Jesus, pela força do Espírito Santo. É antes de mais nada, fruto da graça, um dom de Deus, que nos convida a uma cooperação ativa e decidida. Ela requer que assumamos a nossa parte, que lutemos com fidelidade e Constancia, para erradicar das nossas vidas tudo que rompe ou impede esta desejada comunhão, acolhendo a ajuda divina, e que cultivemos positivamente uma vida de fé, de virtude, de oração, de comunhão sacramental, de amor a Deus, e de coerência efetiva em nossas ações. Cooperando assim com a graça divina, somos chamados a crescer em uma comunhão de pensamento, de sentimento e de ação com Deus, uma comunhão que nos realiza, nos plenifica e nos leva a uma mudança, a partir desta riqueza espiritual, a uma transformação autêntica do mundo, a partir da caridade divina, segundo o Plano de Deus.

Uma vida interior intensa é fruto do Espírito Santo, que é o Senhor e Doador da Vida. É Ele quem nos vai configurando com o Senhor Jesus. Ao dizer vida, dizemos vitalidade, e a vida no Espírito Santo é fé ardorosa, esperança e amor. Crescer nela alimenta nossa mente e nosso espírito, nos vivifica.

Aprender a ver a realidade com os olhos de Deus

Portanto, com as luzes do Espírito, devemos trabalhar em primeiro lugar para ter uma fé profunda na mente, que não é outra coisa, senão ir aprendendo a olhar e entender a realidade com os olhos de Deus, interiorizando os critérios da fé, reconhecendo o sentido das realidades e situações distintas, à luz do plano de Deus e examinando nossa própria vida com uma visão de fé. Para crescer nesta dimensão da nossa vida interior, é imprescindível que estudemos, que entendamos, e que façamos nossos, os critérios da fé que encontramos na Sagrada Escritura, nos documentos do Magistério – iniciando pelo Catecismo da Igreja – e nos ricos textos que formam parte da Tradição e da nossa própria espiritualidade.

Cultivar nossa vitalidade interior com a fé na mente nos ajuda a apreciar o quanto Deus faz por nós no dia a dia de nossas vidas,  nos afasta da superficialidade e do auto engano, nos dá critérios para nos entendermos a nós mesmos à luz do Senhor Jesus, enriquece nossa capacidade de reflexão, e nos prepara para ajudar melhor aos nossos irmãos e para conduzir as nossa vidas, respondendo a nossa vocação segundo o plano de Deus.

Ser amigos do Senhor Jesus

O mais importante para nossas vidas é amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a nós mesmos. O amor é a essência de toda nossa vida. Conscientes de que o amor autêntico é aquele que foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo [1], nossa vida interior deve ser antes de tudo amor a Deus, Pai, Filho e Espírito Santo. Somente Deus é capaz de saciar a nostalgia de infinito que se instala no fundo de nossos corações.

Nossa vida interior deve ser uma oração contínua, um habitual estar na presença de Deus e em comunhão com Ele [2], em toda ocasião, e de modo particular nos momentos imprescindíveis de oração intensa. Assim como pela fé na mente,  aprendemos a nos ver e a ver a realidade com os olhos de Deus, através da fé no coração e graças a um tratado de amizade freqüente com Deus, buscamos aprender cada vez mais a sentir com o Senhor Jesus, a ter uma unidade de vontade com Ele, a descobrir como nosso alimento e nossa felicidade estão em cumprir o Plano de Deus. A oração é o caminho para que a amizade com o Senhor Jesus seja realmente o centro de nossas vidas e para que nos deixemos ir se configurando com Ele.

Esta comunhão de sentir e querer com o Senhor Jesus só é possível pela graça do Espírito Santo, que é quem nos faz filhos de Deus e se une a nossa oração para que possamos clamar ”Abba, Pai” [3]. Não podemos jamais descuidar da nossa vida de graça. Nossa vida interior necessita que nos despojemos de tudo que nos afaste de Deus, todo lastro de pecado e ruptura. E por isso mesmo, necessitamos do auxílio dos sacramentos, em especial que procuremos com regularidade o Sacramento da Reconciliação e que nos alimentemos com o Pão da Vida Eterna, que é o mesmo Senhor Jesus na Eucaristia. Só assim poderemos ir avançando nesse morrer a tudo que é morte, para viver quem é a própria Vida.

De mãos dadas com Santa Maria

O Senhor em seu Plano quis que,  para percorrer o caminho de nossa santidade e felicidade contemos com a companhia e intercessão maternal de Maria Santíssima, Mãe de Deus e nossa. Contemplando-a aprendemos a ter uma comunhão total de mente, coração e ação com o Senhor Jesus. Com o seu exemplo de modelo,  Ela nos ensina a guardar como um tesouro a Palavra de Deus, conservando-a e meditando-a em nosso coração. Como Ela, vivamos uma vida de oração intensa, na qual com reverencia, reconheçamos tudo quanto Deus opera para o nosso bem. Como ela o fez em seu Magnificat, louvemos a Deus por suas maravilhas, e não nos cansemos de agradecer suas bênçãos. Com humildade reconheçamos nossa pequenez e fragilidade. Coloquemos nas mãos de Deus todas nossas necessidades, cooperemos ativamente com sua graça, transformemos nossa fé na mente e no coração em uma fé coerente na ação. Mas, sobre tudo, a partir da mão de nossa Santa Mãe e de seu Imaculado Coração, aprendamos a amar ao Senhor Jesus e a viver em sintonia total com seu Sagrado Coração. E façamos nossos os seus amores: ao Pai, no Espírito Santo, a Maria Santíssima e a todos nossos irmãos e irmãs humanos. Só seremos santos se vivermos intensamente o amor divino e formos coerentes com ele. Só sendo santos poderemos cooperar a partir de nossa pequenez em mudar um mundo que morre por falta de amor. Só a partir de uma vida interior que respire amor e santidade poderemos transformar-nos através de uma ação reconciliadora para a glória de Deus.

CITAÇÕES PARA MEDITAR

Guia para a Oração

  • Cristo é nossa Vida: Jo 14,6; Gl 2,20
  • Renovar nossa mente para aprender a querer como Deus: Rm 12,2
  • A vida no Espírito Santo: Rm 8, 5-17
  • Santa Maria conserva e medita a Palavra de Deus: Lc 2, 19-56
  • Perseverar no mesmo espírito em companhia de Maria: Hch 1,14

PERGUNTAS PARA O DIÁLOGO

  1. Porque é importante que eu cultive uma vida interior intensa?
  2. Quem nutre e faz crescer minha vitalidade interior? Que devo fazer para cooperar com meu crescimento e realização interior? Qual é a essência de uma autêntica vida interior?
  3. Que posso fazer para aprender, cada vez mais, a ver a realidade com os olhos de Deus? Porque a lectio divina é importante como meio de interiorização e apropriação pessoal dos critérios da fé?
  4. Jesus está realmente no centro da minha vida? Reconheçoi sua presença na minha vida? O que falta para eu me deixar me configurar ainda mais com Ele?
  5. Qual é o papel de Santa Maria na minha vida espiritual? Quais das suas virtudes estão mais próximas de mim? Quais eu deveria desenvolver mais?

_____________________________________

[1]Ver Rom 5,5

[2]Ver Catecismo de la Iglesia Católica, 2565

[3]Ver Gál 4,6

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here