IV Domingo do Advento: "Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel"

3141

1ª Leitura – Is 7,10-14

Naqueles dias:

10O Senhor falou com Acaz, dizendo:
11’Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal,
quer provenha da profundeza da terra,
quer venha das alturas do céu’.
12Mas Acaz respondeu:
‘Não pedirei nem tentarei o Senhor’.
13Disse o profeta:
‘Ouvi então, vós, casa de Davi;
será que achais pouco incomodar os homens
e passais a incomodar até o meu Deus?
14Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal.
Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho,
e lhe porá o nome de Emanuel.

Salmo – Sl 23,1-2.3-4ab.5-6 (R. 7c e 10b)

2ª Leitura – Rm 1,1-7

1Eu, Paulo, servo de Jesus Cristo, apóstolo por vocação,
escolhido para o Evangelho de Deus,
2Esse Evangelho, que Deus havia prometido,
por meio de seus profetas, nas Sagradas Escrituras,
3e que diz respeito a seu Filho,
descendente de Davi segundo a carne,
4autenticado como Filho de Deus com poder,
pelo Espírito de Santidade que o ressuscitou
dos mortos, Jesus Cristo, Nosso senhor.
5É por Ele que recebemos a graça da vocação
para o apostolado,
a fim de podermos trazer à obediência da fé
todos os povos pagãos,
para a glória de seu nome.
6Entre esses povos estais também vós,
chamados a ser discípulos de Jesus Cristo.
7A vós todos que morais em Roma,
amados de Deus e santos por vocação,
graça e paz da parte de Deus, nosso Pai,
e de nosso Senhor, Jesus Cristo.

Evangelho – Mt 1,18-24

18A origem de Jesus Cristo foi assim:
Maria, sua mãe, estava prometida em casamento
a José, e, antes de viverem juntos,
ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo.
19José, seu marido, era justo
e, não querendo denunciá-la,
resolveu abandonar Maria, em segredo.
20Enquanto José pensava nisso,
eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho,
e lhe disse: ‘José, Filho de Davi,
não tenhas medo de receber Maria como tua esposa,
porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo.
21Ela dará à luz um filho,
e tu lhe darás o nome de Jesus,
pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados’.
22Tudo isso aconteceu para se cumprir
o que o Senhor havia dito pelo profeta:
23’Eis que a virgem conceberá
e dará à luz um filho.
Ele será chamado pelo nome de Emanuel,
que significa: Deus está conosco.’
24Quando acordou,
José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado,
e aceitou sua esposa.

ANGELUS DE HOJE:

Cidade do Vaticano (RV) – Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus deste domingo, 22 de dezembro, da janela da residência pontifícia, no Vaticano, com milhares de fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro.

“Neste 4° Domingo do Advento, o Evangelho nos conta os acontecimentos que precederam o nascimento de Jesus, e o evangelista Mateus apresenta esses fatos do ponto de vista de São José, o noivo da Virgem Maria”, disse o pontífice.

“José e Maria viviam em Nazaré; não moravam ainda juntos, porque o matrimônio ainda não tinha sido realizado. Enquanto isso, Maria, depois de acolher o anúncio do Anjo, ficou grávida por obra do Espírito Santo. Quando José percebeu esse fato, ficou confuso.”

O Papa sublinhou que “o Evangelho não explica quais foram os seus pensamentos, mas nos diz o essencial: ele procura fazer a vontade de Deus e está pronto para a renúncia mais radical. Em vez de se defender e fazer valer os seus direitos, José escolhe uma solução que representa um enorme sacrifício para ele: “Porque era homem justo e não queria denunciar Maria publicamente, pensava em deixá-la, sem ninguém saber”.

“Esta breve frase resume um verdadeiro drama interior, se pensarmos no amor que José tinha por Maria! Mas, mesmo em tal circunstância, José pretende fazer a vontade de Deus e decide, certamente, com grande dor, de deixar Maria em segredo. Devemos meditar sobre essas palavras, para entender qual foi a provação que José teve de enfrentar nos dias que precederam o nascimento de Jesus. Uma provação semelhante ao sacrifício de Abraão, quando Deus lhe pediu seu filho Isaac: renunciar à coisa mais preciosa, à pessoa mais amada. Mas, como no caso de Abraão, o Senhor interveio: Ele encontrou a fé que procura e abriu um caminho diferente, um caminho de amor e felicidade: José – Lhe disse – não tenha medo de receber Maria como esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo”, destacou.

Francisco frisou que “este Evangelho nos mostra a grandeza de São José. Ele estava seguindo um bom projeto de vida, mas Deus reservou para ele outro projeto, uma missão maior”.

“José era um homem que escutava a voz de Deus, profundamente sensível à sua vontade secreta, um homem atento às mensagens que vinham do profundo do coração e do alto. Não se recusou a seguir o seu projeto de vida, não permitiu que o ressentimento o envenenasse, mas estava pronto para se colocar à disposição da novidade que, de maneira desconcertante, lhe foi apresentada. Assim, ele se tornou ainda mais livre e grande”, sublinhou.

“Aceitando-se segundo o desígnio do Senhor, José se encontra totalmente, além de si. Esta liberdade de renunciar ao que é seu, ao possesso sobre a própria existência, e esta sua plena disponibilidade interior à vontade de Deus, nos interpelam e nos mostram o caminho”, disse ainda o Santo Padre.

O Papa convidou os fiéis a celebrarem o Natal contemplando Maria e José. “Maria, mulher cheia de graça que teve a coragem de confiar-se totalmente à Palavra de Deus. José, homem fiel e justo que preferiu acreditar no Senhor, em vez de ouvir as vozes da dúvida e do orgulho humano. Com eles, caminhamos juntos rumo a Belém”, frisou.

Após a oração mariana do Angelus, o Papa Francisco leu uma frase escrita numa faixa que alguns peregrinos expuseram na Praça São Pedro.

“Leio ali, escrito grande: Os pobres não podem esperar. É bonito! Isso me faz pensar que Jesus nasceu num estábulo, não nasceu numa casa. Depois teve de fugir, ir para o Egito para salvar sua vida. Mais tarde, voltou para sua casa, em Nazaré. Penso hoje lendo essa frase em muitas famílias que não têm casa, ou porque nunca a tiveram, ou porque a perderam por vários motivos. Família e casa estão unidas. É muito difícil levar adiante uma família sem morar numa casa. Nestes dias de Natal, convido pessoas, entidades sociais e autoridades a fazerem todo o possível para que cada família tenha uma casa”, disse o pontífice.

A seguir, o Francisco saudou com afeto os peregrinos provenientes de vários países, famílias, grupos paroquiais, associações e fiéis. O Papa saudou a comunidade do Pontifício Instituto das Missões Exteriores (PIME), a banda musical de San Giovanni Valdarno, os adolescentes da Paróquia San Francesco Nuovo, em Rieti, e os atletas da corrida de revezamento que partira de Alessandria até Roma para testemunhar o compromisso em favor da na Somália.

Aos italianos que se reuniram hoje para manifestar seu compromisso social, o Santo Padre espera que dêem uma contribuição construtiva, rejeitando as tentações de confronto e violência e seguindo sempre o caminho do diálogo.

O Papa concluiu desejando a todos um bom domingo e um “Natal de esperança, justiça e fraternidade”. (MJ)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here