Terço com o papa: Meditações da Gaudete et Exsultate e os mistérios Gozosos

390

Com a nova Encíclica do Papa Francisco, o sodálite Fábio Araújo, fez uma meditação em relação aos mistérios gozosos e resultou em um muito bonito terço para que possamos interiorizar ainda mais esse chamado à Santidade!

 

Introdução:
“Conheço tuas obras, teu trabalho e tua paciência: não podes suportar os maus,
puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são e os achaste mentirosos. Tens
perseverança, sofreste pelo meu nome e não desanimaste. Mas tenho contra ti que
arrefeceste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste. Arrepende-te e retorna
às tuas primeiras obras.” (Ap 2, 2-4)

Em sua nova Exortação o Papa Francisco sobre o tema da Santidade, nos diz “Quer-nos
santos e espera que não nos resignemos com uma vida medíocre, superficial e indecisa”
(GE 1). Ao falar de alguns testemunhos de alguns cristãos que nos são próximos
comenta que “sua vida talvez não tenha sido sempre perfeita, mas, mesmo no meio de
imperfeições e quedas, continuaram a caminhar e agradaram ao Senhor. (GE3). Sua
visão das realidades cotidianas lhe trazem o “Gosto de ver a santidade no povo
paciente de Deus: nos pais que criam os seus filhos com tanto amor, nos homens e
mulheres que trabalham a fim de trazer o pão para casa, nos doentes, nas consagradas
idosas que continuam a sorrir. Nesta constância de continuar a caminhar dia após dia,
vejo a santidade da Igreja militante. Esta é muitas vezes a santidade «ao pé da porta»,
daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus (GE 7); “Muitas
vezes somos tentados a pensar que a santidade esteja reservada apenas àqueles que têm
possibilidade de se afastar das ocupações comuns, para dedicar muito tempo à oração.
Não é assim. Todos somos chamados a ser santos, vivendo com amor e oferecendo o
próprio testemunho nas ocupações de cada dia, onde cada um se encontra”. (GE 14);
“Deixa que a graça do teu Batismo frutifique num caminho de santidade”. (GE 15)

Coloquemos nossas intenções para rezar este terço:
Rezemos o Credo, um Pai nosso, três Ave-Marias e um Gloria.

Para contemplar e compreender o estilo de vida ao qual o Senhor nos chama, Francisco
nos convida aos diferentes métodos de oração, os sacramentos inestimáveis da
Eucaristia e da Reconciliação, a oferta de sacrifícios, as várias formas de devoção, a
direção espiritual. Porém ele enfatiza algumas características ou traços espirituais que
são indispensáveis. (GE 110). Por isso diz: “Estas características que quero evidenciar
não são todas as que podem constituir um modelo de santidade, mas são cinco grandes
manifestações do amor a Deus e ao próximo, que considero particularmente
importantes devido a alguns riscos e limites da cultura de hoje. (GE 111)

PRIMEIRO MISTÉRIO: Alegria e sentido de humor no Primeiro Mistério Gozoso contemplamos a Anunciação do Anjo a Nossa Senhora.

“Entrando onde ela estava, disse-lhe: “alegra-te, ceia de graça, o Senhor está contigo!
Ela ficou intrigada com essa palavra e pôs-se a pensar qual seria o significado da
saudação”. (Lc1,28-29)

“O santo é capaz de viver com alegria e sentido de humor. Sem perder o realismo, ilumina os outros com um espírito positivo e rico de esperança. Ser cristão é «alegria no Espírito Santo» (Rm 14, 17), porque, «do amor de caridade, segue-se necessariamente a alegria. Pois quem ama sempre se alegra na união com o amado. (…) Daí que a conseqüência da caridade seja a alegria».[99]Recebemos a beleza da sua Palavra e abraçamo-la «em plena tribulação, com a alegria do Espírito Santo» (1 Ts 1, 6). Se deixarmos que o Senhor nos arranque da nossa concha e mude a nossa vida, então poderemos realizar o que pedia São Paulo: «Alegrai-vos sempre no Senhor! De novo o digo: alegrai-vos!» (Flp 4, 4).”(GE122)

Antífona: Ó Pai dai-me a alegria e o sentido de humor. Ó Filho dai-me a alegria e o
sentido de humor. Ó Espírito Santo dai-me a Alegria e o sentido de humor.
Rezemos o Pai Nosso:
Antífona:Maria ensinai-me a alegria e o sentido de humor.
Rezemos 10 Ave- Marias
Glória 

SEGUNDO MISTÉRIO: Ousadia e ardor na Visitação de Nossa Senhora a sua prima Santa Isabel. 

“Maria pôs-se a caminho para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente a
um a cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel.” (Lc 1,39)

A santidade é parresia: é ousadia, é impulso evangelizador que deixa uma marca neste
mundo.(GE 129) Maria após conceber algo lhe impulsiona a evangelizar. Quantas vezes nos
sentimos instigados a deter-nos na comodidade da margem! Mas o Senhor chama-nos a
navegar pelo mar dentro e lançar as redes em águas mais profundas (cf. Lc 5, 4). Convida-nos a gastar a nossa vida ao seu serviço. Agarrados a Ele, temos a coragem de colocar todos os nossos carismas ao serviço dos outros. (GE 130); Somos frágeis, mas portadores dum tesouro que nos faz grandes e pode tornar melhores e mais felizes aqueles que o recebem(GE 131); “Peçamos ao Senhor a graça de não hesitar quando o Espírito nos exige que demos um passo em frente; peçamos a coragem apostólica de comunicar o Evangelho aos outros e de renunciar a fazer da nossa vida um museu de recordações. Em qualquer situação, deixemos que o Espírito Santo nos faça contemplar a história na perspectiva de Jesus ressuscitado. Assim a Igreja, em vez de cair cansada, poderá continuar em frente acolhendo as surpresas do Senhor” (GE 139)

Antífona: Ó Pai dai-me a ousadia e ardor. Ó Filho dai-me a ousadia e ardor. Ó Espírito
Santo infunde em mim a ousadia e ardor.
Rezemos o Pai Nosso:
Antífona: Maria ensinai-me a ousadia e ardor.
Rezemos 10 Ave- Marias
Glória 

TERCEIRO MISTÉRIO: Suportação, paciência e mansidão no Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo em Belém.

“Subiu da cidade de Nazaré, na Galiléia, para a Judéia, na cidade de Davi, chamada
Belém… Enquanto lá estavam, completaram-se os dias para o parto, e Ela deu à Luz o
seu Filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura, porque
não havia um lugar par eles na sala”. (Lc 2,4a.6 -7) “A primeira destas grandes características é permanecer centrado, firme em Deus que ama e sustenta. A partir desta firmeza interior, é possível agüentar, suportar as contrariedades, as vicissitudes da vida e também as agressões dos outros, as suas infidelidades e defeitos: «se Deus está por nós, quem pode estar contra nós?» (Rm 8, 31). Nisto está a fonte da paz que se expressa nas atitudes dum santo. Com base em tal solidez interior, o testemunho de santidade, no nosso mundo acelerado, volúvel e agressivo, é feito de paciência e constância no bem. É a fidelidade (pistis) do amor, pois quem se apóia em Deus também pode ser fiel (pistós) aos irmãos, não os abandonando nos momentos difíceis, nem se deixando levar pela própria
ansiedade, mas mantendo-se ao lado dos outros mesmo quando isso não lhe proporcione
qualquer satisfação imediata”.(GE 112) Assim Maria conseguiu vivenciar com paciência o
grande contraste entre a Dignidade de sue filho e as condições de seu nascimento.”

Antífona: Ó Pai dai-me a paciência e mansidão. Ó Filho dai-me paciência e mansidão.
Ó Espírito Santo dai-me a paciência e mansidão.
Rezemos o Pai Nosso:
Antífona:Maria ensinai-me a paciência e mansidão.
Rezemos 10 Ave- Marias.
Glória 

QUARTO MISTÉRIO: Viver em comunidade  e a Apresentação do Menino Jesus no Templo

“Quando se completaram os dias para a purificação deles, segundo a lei de Moises, levaram–no a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor, conforme está escrito na Lei
o Senhor:” (Lc 2,22-23)

Maria e José tinham a consciência de fazer parte de um Povo, com suas Leis e Tradições,
sabiam-se parte de um corpo maior, de uma comunidade, assim com nós, a partir do Batismo somos parte de Igreja. Onde “a vida comunitária, na família, na paróquia, na comunidade religiosa ou em qualquer outra, compõe-se de tantos pequenos detalhes diários. Assim acontecia na comunidade santa formada por Jesus, Maria e José, onde se refletiu de forma paradigmática a beleza da comunhão trinitária. E o mesmo sucedia na vida comunitária que Jesus transcorreu com os seus discípulos e o povo simples”. (GE 143). “A comunidade é chamada a criar aquele «espaço teologal onde se pode experimentar a presença mística do Senhor ressuscitado».[105] Partilhar a Palavra e celebrar juntos a Eucaristia torna-nos mais irmãos e vai-nos transformando pouco a pouco em comunidade santa e missionária” (GE 142).

Antífona: Ó Pai concedei-me viver em comunidade. Ó Filho concedei-me viver em
comunidade. Ó Espírito Santo concedei-me a viver em comunidade.
Rezemos o Pai Nosso:
Antífona: Maria ensinai-me a viver em comunidade.
Rezemos 10 Ave- Marias.
Glória 

QUINTO MISTÉRIO: A oração constante e a perda e o encontro do Menino Jesus. 

“Pensando que Ele estivesse na caravana, andaram o caminho de um dia, e puseram-se a procurá-lo entre os parentes e conhecidos. E não o encontrando, voltaram a Jerusalém a sua procura. Três dias depois, eles o encontraram no Templo, sentado em meio aos doutores, ouvindo-os e interrogando-os” (Lc 2,43-46)”

“Por fim, mesmo que pareça óbvio, lembremos que a santidade é feita de abertura habitual à transcendência, que se expressa na oração e na adoração. O santo é uma pessoa com espírito orante, que tem necessidade de comunicar com Deus. Não acredito na santidade sem oração, embora não se trate necessariamente de longos períodos ou de sentimentos intensos” (GE 147). “Neste silêncio, é possível discernir, à luz do Espírito, os caminhos de santidade que o Senhor nos propõe. Caso contrário, todas as nossas decisões não passarão de «decorações», que, em vez de exaltar o Evangelho na nossa vida, acabarão por o recobrir e sufocar. Para todo o discípulo, é indispensável estar com o Mestre, escutá-Lo, aprender d’Ele, aprender sempre” (GE 150). “O encontro com Jesus nas Escrituras conduz-nos à Eucaristia, onde essa mesma Palavra atinge a sua máxima eficácia, porque é presença real d’Aquele que é a Palavra viva”(GE 157). Nossa experiência deve ser tão forte como a de uma Mãe ou Pai que perde seu filho, necessitamos de Deus e só voltando ao Templo onde ele se encontra, no silencio sagrado é que poderemos realmente deixar-nos interrogar pela seu Amor.

Antífona: Ó Pai sustentai em mim a oração constante. Ó Filho falai comigo na oração
constante. Ó Espírito Santo iluminai-me na oração constante.
Rezemos o Pai Nosso:
Antífona: Maria ensinai-me a oração constante.
Rezemos 10 Ave- Marias.
Glória 

Terminemos Rezando a oração “Rainha Do Céu”.
Em nome do Pai, Do Filho e do Espírito Santo.

Amém.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here