A Virgindade Perpétua de Maria: verdade de fé

482

Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” Is 7,14

Essa profecia de Isaías, cheia de esperança, além de anunciar a vinda de nosso Salvador, que reconciliaria toda a humanidade com Deus, possui um detalhe que gostaria de aprofundar nessa catequese: Cristo nasceu de uma virgem. Essa virgem sabemos desde a nossa fé que se trata da Virgem Maria, nossa querida Mãe.

Como estamos esse ano na Novena e Festa da Padroeira aprofundando no coração de Nossa Senhora Aparecida, proponho refletirmos sobre um propósito que já estava presente desde o início em seu coração e que de alguma forma a preparou para ser a Mãe de Jesus: ser virgem, guardar-se toda pura. Sobre a virgindade perpétua de Maria, verdade de fé, gostaria de meditar agora com vocês, caros devotos.

A fé da Igreja, expressada em todos os credos, desde os mais antigos, sempre considerou a concepção virginal do Senhor, por obra do Espírito Santo. Essa verdade inspirou-se em textos da Sagrada Escritura, em particular algumas profecias do Antigo Testamento e o testemunho dos Evangelhos de Lucas, Mateus e, provavelmente, também de João. O dogma foi professado solenemente em 649 durante o Concílio Lateranense, pelo Papa Martinho I. A virgindade perpétua de Maria é entendida como antes, durante e depois do parto.

Virgindade antes do parto

No relato da Anunciação, Lucas destaca que o anjo Gabriel foi enviado a uma virgem (Lc 1,26ss). Maria é, portanto, virgem no momento do anúncio do anjo. Diante da dúvida de Maria (dúvida que em nenhum momento manifesta desconfiança em Deus e a intenção de não responder ao seu chamado), “Como se fará isso, pois não conheço homem?”(Lc 1, 34), o anjo esclarece: “O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus.” (Lc 1,35). Fica evidente nesse momento que a concepção de Jesus seria de modo milagroso: pela força criadora de Deus e sem intervenção de homem. Se lemos Mt 1, 15ss, perceberemos diversas referências à concepção virginal de Jesus.  Marcos apresenta a origem virginal de Jesus como um cumprimento da profecia de Isaías (Is 7,14).

Virgindade durante o parto

Para explicar esse outro milagre teremos que entender algumas passagens bíblicas que, segundo o estudo de alguns exegetas, explicam como seria possível que Santa Maria permanecesse virgem mesmo depois de conceber a Cristo.

Retomaremos um trecho da profecia de Isaías (“Uma virgem conceberá e dará à luz um filho” Is 7,14), onde uma tradução mais literal deveria traduzir os dois verbos, conceber e dar, no particípio presente (muito comum das visões proféticas, que consideram um fato futuro como algo que está acontecendo diante de seus olhos). A passagem traduzida literalmente ficaria assim: “Uma virgem está concebendo e dando à luz um filho”. Estes dois particípios do presente supõem uma simultaneidade entre o fato de ser virgem e as ações de conceber e dar à luz. A Mãe do Messias será virgem ao conceber e virgem ao dar à luz, ou seja, virgem durante o parto.

Estudos mais recentes do versículo 13 do Prólogo do Evangelho de S. João também nos dão luzes para explicar esse fato miraculoso. O trecho que é originalmente apresentado no plural (“… nãonasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus.”), é traduzido no singular (“… não nasceu do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus.”). A expressão «nasceu do sangue», é utilizada para fundamentar a virgindade de Maria durante o parto. O parto de Maria careceu de sangue, que acompanha toda concepção normal: foi milagroso. Embora seja apenas um indício, uma passagem encontrada em S. Lucas, afirma que imediatamente após conceber a Jesus, Maria o envolve em faixas e o coloca no presépio (cf. Lc 2,7). Essa situação só poderia acontecer se a mulher que acabou de dar à luz, tivesse tido um parto diferente do comum (isento das dores normais do parto) e que não precisasse ficar de resguarda. Maria retoma às suas atividades imediatamente.

Apesar de toda a explicação das passagens da Sagrada Escritura que acabamos de ver, esse milagre só pode ser entendido como um sinal da intervenção maravilhosa de Deus, que quis que o Sacrário Santo em que habitou o seu Filho amado, permanecesse intacto. Portanto, a virgindade de Maria é um sinal permanente da ação divina.

Virgindade depois do parto

Finalizando a reflexão sobre a virgindade perpétua de Maria, onde percebemos anteriormente uma intervenção divina no momento da Virgem conceber e no momento de dar à luz, como podemos explicar o fato de Maria permanecer virgem? Podemos responder a essa pergunta da seguinte forma: a graça de Deus encontrou uma resposta livre e generosa em Maria.

No momento do anúncio do anjo, lembrávamos que Maria havia colocado uma dificuldade: “Como se fará isso, pois não conheço [ou não pretendo conhecer] homem?”(Lc 1, 34). Uma explicação para essa passagem podemos encontrar no Beato João Paulo II, em sua catequese “O propósito de virgindade”, do dia 24 de julho de 1996:

O contexto em que é posta a pergunta ‘como será isso?’ e a afirmação seguinte ‘não conheço homem’, põem em evidência quer a virgindade atual de Maria, quer o seu propósito de permanecer virgem. A expressão por ela usada, com a forma verbal no presente, deixa transparecer a permanência e a continuidade do seu estado”.

O Santo Padre também explica que no início da era cristã, em alguns “ambientes judaicos começa a manifestar-se certa orientação positiva para a virgindade. Por exemplo, os Essênios, dos quais foram encontrados numerosos e importantes testemunhos históricos em Qunram, viviam no celibato ou limitavam o uso do matrimônio, por causa da vida comum e da busca de uma maior intimidade com Deus”.

Portanto, caros devotos, podemos concluir que a Virgindade Perpétua de Maria é algo querido por Deus e também por Nossa Senhora. Ela escolhe livremente permanecer nesse estado, inspirada pela ação do Espírito Santo, para assim ter o coração totalmente voltado para Deus e para todos nós, seus filhos muito amados.

O testemunho de virgindade de Maria e o de tantos, que livremente se consagram plenamente a Deus, é sinal de contradição em um mundo que muitas vezes valoriza o sensual, o sexual, o prazer egoísta e sem limites. É um convite também para aqueles chamados ao matrimônio a se guardarem plenamente ao seu esposo ou esposa, mantendo a sua fidelidade, especialmente nos momentos mais difíceis. Também para os jovens, dizendo que vale a pena guardar-se virgem para o casamento. Quanto mais puro sejamos, mais teremos os nossos corações voltados para Deus, para os demais, amando-os intensamente e assim preenchendo verdadeiramente os anseios mais profundos de nosso ser.

Que a Virgem Pura, nos ensine a ter um coração semelhante ao dela!

COMPARTILHAR
Leigo consagrado no Sodalício de Vida Cristã. Formado em Filosofia e Análise de Sistemas. Estudante de Teologia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here