Jesus chorou?

133

Encontra-se no contexto da Ressurreição de Lázaro. Quando Maria, a irmã de Lázaro, “chegou onde Jesus estava e O viu, lançou-se aos seus pés e disse-Lhe: ‘Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido!’. Ao vê-la chorar assim, como também todos aos judeus que a acompanhavam, Jesus ficou intensamente comovido em espírito (Jo 11,32-33). E o Evangelho acrescenta brevemente: “Jesus chorou” (Jo 11,35).

Para além desta curiosidade sobre o versículo mais curto, uma das verdades que a totalidade dos versículos da Bíblia expressa é que Jesus “tornou-Se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado”*Falar sobre o pranto de Jesus (e das suas tristezas e angústias, assim como suas alegrias e esperanças) é falar sobre o dinamismo da Encarnação.

Esta verdade da fé é muito desafiadora, pois, se formos sinceros, gostaríamos de respostas que estivessem mais na linha da nossa imaginação e fantasias do que na da realidade. Jesus e a salvação que Ele oferece são reais. Salvação tão real, que não pretende maquiar o drama do nosso anseio de infinito, nem a ruptura do nosso coração ferido pelo mal e o pecado. Tão real, que assume totalmente a nossa natureza. Tão real, que Ele Se encarna.

“Porque, pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-Se de certo modo a cada homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana, amou com um coração humano“*. Essa é a salvação e a vida que Jesus nos oferece. Não tanto fazendo sumir as dificuldades e as lágrimas, mas assumindo-as totalmente e dando-lhes, Nele, um valor salvífico.

 

COMPARTILHAR
Cankin Ma Lam
Membro do Sodalício de Vida Cristã. Na formação em vistas ao sacerdócio, estuda teologia na Universidade Católica de Petrópolis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here