Qual o papel dos avós na nossa vida cristã?

476

Gostaria de lembrar de forma especial a importância que avós possuem nas nossas vidas e na transmissão da fé para as próximas gerações. Sabemos que a distância que separa avós e netos é maior do que simplesmente o passar dos anos. Com o avanço da tecnologia, os avós podem parecer aos netos como seres de outro mundo. Um mundo sem celular, internet, onde tudo acontecia de maneira mais lenta e que fica cada vez mais difícil de imaginar. Por isso é sempre importante relembrar o seu papel em nossas vidas.

Papa Francisco, no término da JMJ Polônia, pedia com bastante insistência aos voluntários que ao preparar a seguinte JMJ pedissem conselhos aos avós. No entanto, a JMJ parece ser um evento muito avançado, cheio de luzes, cores e movimentos que, a princípio, poderia ser difícil de ser acompanhado por pessoas de outras épocas. Porque então o Papa pede isso? Não seria melhor que os jovens simplesmente se organizassem para fazer o melhor evento possível? Que ajuda eles podem dar se não conhecem muito da tecnologia que agora abre um monte de possibilidades para fazer um evento perfeito?

Em primeiro lugar há que dizer simplesmente que essa ideia de que os mais velhos não acompanham bem o que veem de novo é falsa. Minha avó mesmo me contava com muita alegria que na JMJ Rio de Janeiro, foi esperar o Papa passar pela rua e que achou linda aquela multidão de jovens passeando pelas ruas do Rio de Janeiro em um espírito de Fé. Na JMJ Cracóvia, me dizia uma e outra vez o quanto estava achando bonito tudo aquilo que estava acontecendo e que ela estava acompanhando pela televisão. Se bem os avós podem não saber como funciona esse ou aquele recurso novo, isso não os impede de reconhecer o bom e o belo que pode prover daí.

Mas por outro lado, e mais importante do que o primeiro, o Papa nos pede isso porque sabe da importância da sabedoria dos mais velhos. Podemos chamar essa sabedora também de tradição. Na Igreja vivemos tanto do novo, da Boa Nova que é o Evangelho, quanto da Tradição que é justamente o meio pelo qual nos chega o Evangelho que por ser antigo não deixa de ser sempre o Novo com letra maiúscula. Uma passagem muito bonita da Bíblia nos mostra isso de forma muito simples, mas muito significativa. Ela se encontra na segunda carta de São Paulo a seu discípulo Timóteo: “Evoco a lembrança da fé sem hipocrisia que há em ti, a mesma que habitou primeiramente em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice e que, estou convencido, reside também em ti. ”

Uma fé que não esteja enraizada na Tradição é uma fé sem raiz e, portanto, que não pode crescer. É, por outro lado, uma fé sem norte, sem guia, capaz de nos levar por onde o vento soprar mais forte. Por isso é tão importante que em nossas vidas nos apoiemos naqueles que vieram antes de nós e que são os que possuem encarnadas a tradição da qual bebemos e que forma nossa identidade. Essa é a missão dos nossos avós: Passar para nós essa fé sem hipocrisia da qual fala Paulo. A nossa, consequentemente, é receber essa fé, encarná-la em nossas vidas de modo que também nós possamos passa-la adiante.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here