Uma festa da misericórdia

438

Por Cankin Ma

Jovens do mundo inteiro andam estes dias pelas ruas de Cracóvia. Acolhem o convite do Santo Padre de fazer barulho pelas estradas e se amontoam para enxergar só durante cinco segundos o papamóvel passar. Nestes dias a Igreja celebra seu Jubileu, unindo-se às vozes dos peregrinos que em diferentes línguas gritam com toda a força: “esta é a juventude do Papa!”.

Para os que “ficamos” talvez seja oportunidade para nos unirmos à celebração. À celebração da fé, à celebração de sermos todos Igreja. Eu tenho alguns amigos que de alguma forma estão me representando lá, rezando comigo e por mim.

Uma amiga, logo antes de partir para Cracóvia, me perguntou pelas intenções que eu queria que ela rezasse na sua peregrinação. Para saber quanto me estender perguntei-lhe com sinceridade “vai depender… quantas podem ser? quão longas?”. Esperava um número e um limite, mas ela simplesmente respondeu “quantas você quiser, me comprometo a rezar por todas elas”.

O espírito de uma verdadeira festa é assim, não coloca números nem limites. Não fica preso nos espaços preenchidos ou os vazios, simplesmente quer explodir de alegria em todas as direções. Acho que o amor de Deus é assim, é uma celebração onde não tem importância as contas, onde se oferece o melhor que se tem, onde não se salva nada para quando possa ser mais necessário.

Esta alegria é expressada com força nas parábolas da misericórdia. Onde o aparentemente insignificante é celebrado: uma moeda, uma ovelha perdida dentre as noventa e nove, o filho mais novo que desperdiçou a herança da família. Assim é o amor de Deus. Um autor espiritual o expressa muito bem quando diz que “o mais surpreendente, sobre a misericórdia de Deus, é que Ele experimenta alegria em ter misericórdia”.

Isto é ainda mais inédito se levamos em conta como Deus coloca a sua esperança em que seus filhos voltem para Ele. Se o homem tem esperança porque não conhece o que vem na frente, Deus sente um tipo de esperança pela livre opção de seus filhos, que Ele escolhe não poder forçar. Usando as palavras de um poeta francês: “Toda penitência do homem é a coroação de uma esperança de Deus”. Tudo isto como uma analogia, como tem que ser feito quando quer se dizer uma palavra sobre Deus.

Os cristãos anunciam uma Boa Nova e ela é que Cristo veio, ainda mais, ousando descrever -como o poeta francês- o coração de Deus: a primeira Boa Notícia é a que Deus recebe, Ele se alegra quando a gente se abre à sua misericórdia. Por isso Ele prepara uma festa ao redor da misericórdia, por isso Ele chama mais de um milhão de jovens para que com seus gritos façam saber que o mundo pode, ainda hoje, celebrar uma festa. Sim, a Igreja se fez organizadora de várias festas. Por meio dos sacramentos é que Deus quer distribuir incessantemente sua graça, sua presença viva e misericordiosa na vida de cada pessoa.

Estes dias da Jornada Mundial da Juventude vamos ter uma festa de fé, talvez seja um convite para celebrar no meio da tristeza e o cansaço, no meio do medo e do terror. Descobrir que sim, o ódio e o mal são reais, mas o Amor Misericordioso de Deus é o mais real, o que se encontra na base de todo o existente.

COMPARTILHAR
Cankin Ma Lam
Membro do Sodalício de Vida Cristã. Na formação em vistas ao sacerdócio, estuda teologia na Universidade Católica de Petrópolis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here